Visita do Embaixador da França ao complexo naval dos submarinos de Itaguaí

O Embaixador da França no Brasil, Laurent Bili, acompanhado do Cônsul-Geral Adjunto, Jean-François Laborie, do adido de defesa, o Capitão-de-Mar-e-Guerra Yannick Rest e dos cooperantes da Delegação Geral do Armamento e da Marinha nacional da França, visitou no dia 28 de janeiro o Complexo Naval do Programa de Desenvolvimento de Submarinos, PROSUB, em Itaguaí (RJ).

JPEG

PROSUB, programa de grande importância da Marinha do Brasil, surgiu em 2008, a partir de um acordo estratégico firmado entre os governos do Brasil e da França e constitui o maior programa de cooperação bilateral entre os dois ministérios da defesa.

PROSUB é um programa muito estruturante para a Marinha e a economia brasileira que inclui não somente a fabricação dos submarinos brasileiros, mas também sua base naval e o estaleiro para sua manutenção, no sítio de Itaguaí.

Um de seus aspectos mais relevantes diz respeito ao crescimento tecnológico a ser vivido pelo Brasil, em função da transferência de tecnologia, que garantirá ao Brasil a capacidade de projetar, construir, operar e manter seus próprios submarinos.
No âmbito desta visita, o Embaixador foi recepcionado pelo Coordenador-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (COGESN), Almirante-de-Esquadra (RM1) Gilberto Max Roffé Hirschfeld.

JPEG

Durante a visita, a comitiva assistiu a uma palestra sobre o PROSUB e percorreu as instalações do complexo. Os visitantes conheceram o prédio principal da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM) e as obras dos Estaleiros e Base Naval (EBN), onde funcionarão os Estaleiros de Construção e Manutenção dos submarinos, a Base Naval e o Complexo Radiológico, destinado ao SN-BR. A comitiva pôde assim contemplar o avanço da construção dos submarinos convencionais.

JPEG

A base naval abrigará também os futuros edifícios do comando da Força de Submarinos (FORS) e o centro de instrução e adestramento das tripulações dos SBR.

A França e o Brasil firmaram uma parceria para a realização do programa PROSUB, abrangendo os quatro submarinos convencionais SBR e seus lotes de torpedos, a base naval e o estaleiro naval de Itaguaí, bem como a concepção e realização da parte não nuclear do futuro submarino com propulsão nuclear brasileiro (SNBR, sabendo que a concepção da caldeira fica sob a responsabilidade brasileira).

Para conduzir este programa, as empresas francesa da área naval DCNS e a brasileira Odebrecht, criaram uma estrutura de comando em comum, o Consórcio Baía de Sepetiba (CBS), bem como uma filial conjunta, Itaguaí Construções Navais (ICN), responsável pela montagem e a integração dos submarinos no sítio de Itaguaí.

publié le 17/02/2016

haut de la page