França, 3º País que mais recebe estudantes estrangeiros de acordo com a Unesco

GIF

GIF

De acordo com os últimos dados publicados pela UNESCO, a França é o terceiro país que mais recebe estudantes estrangeiros. Em 2013, 288.544 estudantes estrangeiros escolheram a França, ou seja, 7% do total de estudantes em mobilidade pelo mundo.

Somente os Estados Unidos e o Reino Unido têm recebido mais estudantes estrangeiros. A Austrália vem logo atrás da França.

Com um aumento de 8% em relação a 2009, a França recupera o lugar que ocupava anteriormente. De modo geral, há 15 anos, o número de estudantes estrangeiros na França aumentou em 90%. Eles eram 151.969 em 1998. Sendo assim, em 2012, os estudantes internacionais representam 12,3% dos estudantes na França (15,2% dos estudantes universitários).

Algumas medidas para incentivar a recepção de estudantes estrangeiros permitiram essa progressão. A lei de 22 de julho de 2013 contribui para a atratividade da França, com foco em pesquisa e simplificação da oferta de cursos de formação, por meio de parcerias locais.

Em 2013, a constituição de trinta comunidades universitárias e de outros estabelecimentos contribuiu para uma maior visibilidade, uma maior capacidade de brilhar internacionalmente, inclusive através da deslocalização de cursos e da oferta em formação digital (com o apoio da Universidade digital da França, lançada no outono de 2013).

Além disto, a recepção dos alunos é favorecida por medidas complementares relacionadas à mobilidade:

- concessão de vistos plurianuais para estudantes e pesquisadores;

- Estatuto específico para os estudantes que fazem seu doutorado na França, durante e depois da tese;

- Simplificação de procedimentos nos consulados;

- Abertura de guichês únicos para a recepção de estudantes estrangeiros, permitindo realizar, em um mesmo lugar, todos os procedimentos relacionados à instalação;

- Reabilitação e construção de moradias,

- Defesa do orçamento europeu Erasmus, dedicado à mobilidade dos estudantes (incluindo os BRICs) e à sua democratização.

publié le 21/11/2013

haut de la page