A França é o maior mercado europeu de carros elétricos.

GIF

GIF

A implementação de uma política pública que respeita o meio ambiente, a escala nacional e local, assim como a oferta dos fabricantes nacionais, permitem que a França seja o primeiro mercado de veículos elétricos da Europa.

1) Uma política pública favorável ao aumento do número de veículos elétricos na França

A política ambiental e as medidas tomadas na ótica da transição energética encorajam a compra e venda de veículos elétricos. A implementação de vários incentivos se inscreve nesse processo – como, em especial, o bônus ecológico criado em 2008, que visa recompensar os compradores de carros novos que emitam menos CO2. Atualmente, ele chega ao valor de 6300€, qualquer que seja o comprador – empresa, governo ou particular.

O plano nacional para o desenvolvimento de veículos elétricos e híbridos foi anunciado em outubro de 2009.

Neste contexto, medidas foram adotadas a respeito das infraestruturas de recarga para veículos elétricos e híbridos: o dispositivo de ajuda ao desenvolvimento de infraestruturas está previsto pela Agência do meio ambiente e do domínio da energia (http://www2.ademe.fr/servlet/getDoc?id=86235&p1=1). Mas é o programa “Cidade do amanhã”, implementado pela Caisse des Dépôts, que financia também projetos inovadores e exemplares de mobilidade sustentável. (http://www.caissedesdepots.fr/activite/domaines-daction/investissements-davenir/ville-de-demain-1000-meur.html)

2) Medidas implementadas de forma local

A implicação das prefeituras e municípios na eletromobilidade explica esse bom resultado.

Muitas aglomerações francesas já implementaram um serviço de carros elétricos em autosserviço (carsharing). É o caso dos “Autolibs”, em Paris, implementados sob a iniciativa do prefeito Bertrand Delanoë, mas também, do “Auto bleue”, em Nice, do “Sunmoove”, em Lyon, do “Bluecub”, em Bordeaux, etc.

O troféu das cidades movidas a eletricidade é uma distinção atribuída todo ano aos governos locais (municípios, intermunicipalidades...) que se mostram especialmente voluntariosos no impulso a dinâmicas de mobilidade sustentável – principalmente, elétrica – em seus territórios (http://www.france-mobilite-electrique.org/trophees-des-villes-electromobiles,106.html).

3) Fabricantes franceses inovadores

A oferta dos fabricantes nacionais (tendo a Renault desempenhado um papel de pioneira nesta matéria) favoreceu esse primeiro lugar. De fato, a marca que mais vendeu veículos elétricos na Europa foi a Renault (6 000 unidades no primeiro semestre de 2013), à frente da Nissan (5 500 unidades) e da Smart (1 500 unidades).

4) Resultados convincentes

- A Europa se tornou o segundo maior mercado de veículos elétricos, depois dos Estados Unidos e à frente do Japão. 18 939 veículos foram matriculados durante o primeiro semestre de 2013 (ante 15 503 durante o primeiro semestre de 2012), enquanto os Estados Unidos matricularam cerca de 30 000 unidades e o Japão, menos de 6 000.

- Na Europa, a França consolidou sua primeira colocação. Em 2013, o mercado francês de veículos elétricos e híbridos representou 3,1% do mercado global de veículos particulares na França. Em relação a 2012, as vendas de veículos elétricos (VP e VUL) aumentaram em 50%, e as vendas de veículos híbridos, em 60%. No total, 8 779 veículos elétricos particulares foram matriculados na França durante o ano de 2013. As vendas aumentaram em 50% em relação às 5 663 matrículas registradas em 2012.

A França registrou volumes duas vezes maiores do que a Alemanha (3 000 unidades) e a Noruega (2 500 unidades).

publié le 21/03/2014

haut de la page