« Somos Charlie - Contra o terrorismo e a islamofobia e pela liberdade de expressão » Senado Federal, 15/01/2015

Conferência « Somos Charlie » com a presença do Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), de Representantes Diplomáticos e Religiosos e também da imprensa. Representantes de 39 países estavam presentes.

GIF

Da esquerda para a direita :

• Embaixadora da Romênia no Brasil;

• Cheikh Muhammad Zidan, representante do centro islâmico de Brasilia;

• Gaël de Maisonneuve (discurso abaixo);

• Senador Cristovão Buarque;

• Senador Pedro Simon (PMDB-RS);

• Celso Augusto Schroder (Presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj);

• Chefe de gabinete do Governador do DF;

• Francisco Fontan, Representante da UE


Excelentíssimos Senadores Buarque e Simon,
Prezados Cheikh Muhammad Zidan, Sr. Schroder e Sr. Neves,
Fellow diplomats,
Caros amigos e amigas,

Muito obrigado pelo convite para participar desta reunião sobre temas importantes para as nossas sociedades, especialmente apos os eventos da semana passada. Vou tentar falar em português, portanto agradeço pela sua paciência !

No dia 7 de janeiro, durante a reunião da redação da revista « Charlie Hebdo », dois homens mascarados surgiram e mataram 12 pessoas, das quais duas eram policiais. Na 5ª feira um outro criminoso baleou uma mulher da policia municipal de Montrouge, perto de Paris. A mesma pessoa atacou 6ª feira um supermercado judaico em Vincennes, declarando o seu apoio aos terroristas de “Charlie Hebdo” matando no total 4 reféns.

Estas 17 vítimas encarnavam a França de hoje: jornalistas, policiais, empregados, civis; mulheres e homens; mas também católicos, judeus, muçulmanos ou agnósticos.

As reações internacionais mostraram uma solidariedade à altura do choque sentido na França após esta serie de eventos trágicos. No Brasil, a presidente da Republica federativa, Dilma Rousseff, proclamou no dia 7 o seu “profundo pesar e a sua indignação” após o “intolerável atentado terrorista”.

A “Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional” do Senado Federal (CRE) condenou “a intolerância e o radicalismo” contra “a liberdade de expressão e a democracia” e propôs uma reflexão para que “o islamismo não seja automaticamente confundido com fanatismo e irracionalidade.”

Esta rejeição a qualquer amalgama esta no centro das reações das autoridades e do povo francês. Com as palavras simples “Somos Charlie”, mais de 4 milhões de pessoas marcharam, pacificamente, domingo passado em Paris, na França e no resto do mundo, inclusive em Brasilia.

No dia 13 nosso primeiro ministro disse ao Congresso Francês: “Os valores da República e a laicidade garantem a unidade e a tolerância. Eu não quero que os judeus sintam medo em nosso país. Eu não quero que haja muçulmanos que se sintam envergonhados, porque a República existe para acolher a todos.”

Como ele afirmou, “o Islã é a segunda religião praticada na França; ela faz parte integrante do país.”. Com 4,5 milhões de pessoas, é a primeira comunidade muçulmana na Europa. O desafio é mostrar que a diversidade das religiões é compatível com os valores da Republica.

Assim, lideres como Tarek Oubrou, imame da cidade de Bordeaux, que participou de uma reunião ecumênica em Roma, têm um papel essencial. Ele salientou durante a sua pregação do dia 9 de janeiro que os muçulmanos que forma para Franca buscavam a liberdade e prosperidade, mas que alguns de seus filhos se tornaram terroristas, traindo os seus próprios pais e a sua religião.
O ministro dos assuntos exteriores Laurent Fabius é muito claro sobre o uso da palavra “terrorista” e não da expressão “islamista”, para fazer a diferença entre crimes que são punidos pelo código penal e uma religião que recebe proteção da lei, como mostra a criação nesta semana de um cargo de defensor dos lugares destinados a cultos.

Este objetivo de paz e tolerância não é fácil alcançar, sobre tudo depois dos crimes cometidos na semana passada. Mas faz parte dos valores da Republica que reafirmamos com a ajuda do mundo inteiro.

Muito obrigado pela sua paciência.
Vive la France, viva o Brasil./.

publié le 19/01/2015

haut de la page