O navio polivalente "Bahia", "ex-Siroco", integra a Marinha do Brasil

O Embaixador da França no Brasil, Laurent Bili, participou nesta quarta-feira (6) da cerimônia oficial de entrega do navio o Navio Doca Multipropósito (NDM) “Bahia” às autoridades brasileiras. O evento contou com a participação da presidente da República Dilma Rousseff, do ministro da Defesa, Aldo Rebelo, do governador da Bahia, Rui Costa, e do comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira.

Atracado em Salvadorl desde 3 de abril, o “Bahia” foi adquirido pelo governo brasileiro em 17 de dezembro de 2015 em Toulon, na França. Esta imponente embarcação (168m de comprimento, 22m de largura, 12 mil toneladas e 20 mil Km de raio de ação ) inicia uma nova etapa sob as cores brasileiras. O navio entrou, na verdade, em operação em 1998 na Marinha francesa com o nome de Siroco.

O cumprimento da lei de programação militar francesa de 2013 permitiu a cessão do Siroco ao Brasil. Navio multiemprego, ele tem capacidade para embarque e desembarque de tropas, materiais, veículos blindados e helicópteros.

Dotado de um complexo hospitalar de 500m² e 49 leitos, ele pode ser igualmente disponibilizado em operações humanitárias em benefício das populações civis como foi o caso do Timor Oriental, em 1999; do terremoto no Haiti, em 2010; e na evacuação dos cidadãos franceses durante a guerra do Líbano em 2006.

Sob a tutela francesa até julho de 2015, suas duas últimas missões foram a operação de luta contra a insegurança marítima no Golfo da Guiné e o comando da operação da União Europeia “Atlanta”, de luta contra a pirataria no Oceano Índico.

A aquisição do Siroco, agora “Bahia” é um símbolo do vigor da parceria estratégica entre o Brasil e da França. Após uma fase de formação e de troca de experiências entre marinheiros brasileiros e franceses em Toulon, a embarcação passou às mãos da marinha brasileira com o nome de Bahia.

Com esta aquisição, a Marinha brasileira dotou-se de um navio recente, em excelente estado e completamente operacional, cuja eficácia foi comprovada em todos os mares. Polivalente, ele dispõe de um potencial de utilização importante para uma ampla gama de missões.

Ele também oferece ao Brasil uma nova capacidade de projeção e de transporte de tropa, de defesa de interesses econômicos brasileiros na Amazônia Azul, mas também de apoio humanitário às populações civis em caso de catástrofe natural, graças à sua estrutura hospitalar.

Vale lembrar que a França é parceira no desenvolvimento e implantação do programa PROSUB de construção de sub-marinos da Marinha brasileira.

JPEG - 95.4 KB
Dilma Rousseff, le Ministre de la Défense, le Gouverneur de Bahia e l’Ambassadeur Bili lors de la cérémonie
JPEG - 97.8 KB
Le « Bahia », ex-« Siroco », amarré dans le port de Salvador (BA)
JPEG - 107.2 KB
Capitaine de vaisseau Yannick Rest, attaché de défense et naval, Raphael Martin (DGA), le capitaine de vaisseau Serrão, commandant du Bahia et Olivier Dugast, attaché d’armement.

publié le 22/04/2016

haut de la page