Embaixada da França diminui consumo de energia elétrica em 26,48% com lâmpadas LED

Uma redução de 26,48% no consumo de energia elétrica. Essa foi a economia obtida pela Embaixada da França após a realização do programa de substituição de suas lâmpadas fluorescentes pelas do tipo LED, no âmbito do projeto “Embaixada Verde”.

PNG

Ao todo, 750 lâmpadas fluorescentes foram substituídas pelas de LED, tanto nos escritórios e jardins da embaixada como na residência oficial do embaixador. Além disso, 50 sensores de presença foram instalados pela representação diplomática. Com a medida, o consumo de energia elétrica passou de uma média mensal de 38.783.33 kwh, em 2014, para 28.512.73 kwh, em 2016, uma queda de 26,48%.

“Ao instalar lâmpadas econômicas, a Embaixada da França no Brasil adequa-se ao movimento Embaixada Verde, do Ministério francês das Relações Exteriores e do Desenvolvimento Internacional (MAEDI), cujo objetivo é tornar as embaixadas francesas consumidoras responsáveis de energia e comprometidas com o desenvolvimento sustentável”, explica o Embaixador Laurent Bili.

A luta contra o aquecimento global é uma prioridade da política internacional da França, anfitriã da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, a COP-21, realizada em dezembro de 2015, em Paris.

“É um primeiro passo, um resultado encorajador, que ilustra o potencial das nossas ações em prol da sustentabilidade”, comemora Marie Rossignol, à frente projeto Embaixada Verde. Marie lembra que a política do MAEDI é tornar-se neutro em emissões de carbono até 2020 e que essa iniciativa foi relativamente simples, na medida em que não dependeu da mudança de comportamento das pessoas, apenas da troca das lâmpadas. “A conscientização dos funcionários para o uso responsável pode aumentar ainda mais essa redução”, lembra.

A maioria das lâmpadas fluorescentes convencionais contém materiais como o mercúrio, prejudiciais ao meio ambiente, o que não ocorre com as lâmpadas de LED. Além de não serem tóxicas, elas são 100% recicláveis, dimunuindo ainda mais seu impacto sobre a natureza.

Secretária contábil na Embaixada da França há mais de 30 anos, Elisabete Teixeira-Lalagüe, vê vários motivos para celebrar a decisão inédita. “Além de usarmos um tiplo de lâmpada mais econômico e menos tóxico, a luminosidade para trabalharmos é mais agradável, sem falar no fato de que os sensores ajudam e muito a reduzir o desperdício”. Outro motivo, segundo ela, é que os próprios funcionários estão se conscientizando mais e decidindo usar lâmpadas LED em suas casas. “Eu mesma já estou providenciando a mudança lá em casa e sei que não sou a única”.

JPEG

publié le 03/01/2017

haut de la page