Condecoração do reitor da UNB, Ivan Camargo

Senhor Reitor,
Caro Ivan Camargo,

Há 20 anos, neste mesmo lugar, um dos meus antecessores entregava as insígnias de Cavaleiro da Ordem da Legião de Honra ao seu pai.

Hoje, temos o prazer de ver a história se repetir. A República Francesa já se prepara para honorificar futuramente outro membro da família Camargo: suas duas filhas e seu filho, aqui presentes, terão então a difícil tarefa de tentar dar continuidade a essa tradição familiar. Mas não confundamos a Legião de Honra com a nobreza hereditária. A Legião honorifica homens e mulheres por seus méritos próprios.

A República Francesa quis honorificar esta noite um emérito cientista, uma figura eminente do mundo acadêmico brasileiro e um grande amigo da França. Nesse momento em que me preparo para começar a falar sobre a sua trajetória, tenho uma forte sensação de que, em meio às múltiplas funções que o senhor exerceu, seja no ensino, na pesquisa ou na administração, predomina um valor essencial, o qual caracteriza o homem e o cidadão que o senhor é: a fidelidade.

Em primeiro lugar, fidelidade a esta cidade, Brasília, na qual chegou em 1970, aos 10 anos de idade, vindo do Rio. Seria natural pensar que, para uma criança, ser arrancada da alegria carioca e colocada no exílio de uma cidade que, na época, ainda era um grande canteiro de obras, seria uma experiência dolorosa.

Mas não foi assim: muito pelo contrário, o senhor ficou encantado com esses grandes terrenos vazios que representavam, para o senhor e seus camaradas, tanto espaços para brincar quanto para se descobrir. Durante um concurso escolar organizado por ocasião dos 10 anos de Brasília, para o qual deveria escrever uma frase que melhor definiria esta cidade para o senhor, escreveu: « Todas as crianças brincam em Brasília ». O júri, admirado, lhe concedeu o grande prêmio: uma bicicleta.

Desde então, fora os seus anos de estudos na França, o senhor quase nunca deixou Brasília, uma cidade onde, infelizmente, não deve mais ter tempo para brincar, mas da qual se tornou um dos mais prestigiosos embaixadores.

Fidelidade também à Universidade de Brasília que, para o senhor, não teria como ser mais merecedora da designação “Alma Mater”. Foi nela, de fato, que sua vocação de engenheiro em engenharia elétrica foi desenhada. Foi nela que encontrou sua esposa aqui presente; e é nela que seus três filhos terão se formado.

É também nessa universidade que, em 1989, o senhor inicia sua carreira de professor. Logo depois, mesmo adorando ensinar e após ter se tornado um especialista internacionalmente conhecido em matéria de energia elétrica, o senhor julga necessário participar ativamente da gestão da universidade.

O senhor assume assim, pouco a pouco, funções administrativas cada vez mais importantes até ser eleito, em 2012, reitor da UnB.

A UnB possui hoje 4 campi, aproximadamente 2.500 professores, 2.700 funcionários administrativos e técnicos, cerca de 40.000 estudantes, 26 institutos, 21 centros de pesquisa e um patrimônio imobiliário de 1.500 imóveis. Não há dúvidas de que dirigir uma instituição tão gigantesca e garantir sua viabilidade financeira no contexto no qual nos encontramos requer uma dedicação extraordinária...

O senhor soube colocar nessa missão suas qualidades mais marcantes enquanto cientista: rigor e pragmatismo. Sem nunca, porém, perder de vista a ambição que motivou os fundadores dessa universidade, Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira: fazer da UnB uma instituição de vanguarda e excelência.

O senhor pode, de forma legítima, orgulhar-se da prosperidade alcançada por essa universidade, pois, sob a sua direção, ela não parou de crescer. A UnB, hoje, faz parte do grupo das universidades públicas de maior prestígio; ela não para de subir nos rankings internacionais e alguns de seus departamentos (de antropologia e de matemática, por exemplo) são mundialmente conhecidos.

Fidelidade, enfim, à França. Um país que descobriu ainda pequeno, pois foi morar em Paris quando o seu pai militar foi fazer uma formação no Institut des Hautes Etudes de Défense Nationale. O senhor fez o jardim de infância em Issy-les-Moulineaux. E assim, 20 anos depois, ouso dizer que houve uma espécie de retorno às origens: o senhor ganha uma bolsa do CNPq e escolhe a França para continuar os seus estudos, morando primeiramente em Grenoble e depois em Paris. Foi então nesse país que conquistou brilhantemente os títulos de mestre e doutor em engenharia elétrica.

Esses quatro anos foram particularmente agitados, já que, não satisfeito em acumular tantos títulos universitários, o senhor se torna também, em Paris, pai de uma de suas filhas. Em 1988, o senhor volta ao Brasil, mas, desde então, nos diferentes cargos de responsabilidade que exerceu, sempre se preocupou em manter e desenvolver os laços privilegiados que a França tem com a UnB; cujo primeiro doctor honoris causa, em 1964, foi, como todos sabem, ninguém mais, ninguém menos que o General de Gaulle

Hoje a UnB possui, em todas as disciplinas, um número impressionante de acordos com estabelecimentos franceses de ensino superior. Sua universidade ilustra então o dinamismo da cooperação universitária e científica franco-brasileira.

Gostaria que soubesse que lhe sou muito grato por continuar a dedicar o seu tempo à Aliança Francesa de Brasília, apesar da sua agenda sobrecarregada. Seus conselhos e opiniões esclarecidas sempre foram uma ajuda extremamente preciosa para o comitê de gestão.

Caro Ivan,

É essa trajetória extensa e exemplar que acabo de apresentar em poucas palavras que fez com que a República Francesa quisesse homenageá-lo e, através da sua pessoa, a universidade que dirige.

Senhor Ivan Camargo,
Por sua contribuição para a amizade entre o Brasil e a França, tenho a honra de entregar-lhe as insígnias de Cavaleiro da Legião de Honra.

publié le 08/07/2016

haut de la page