Ciência sem fronteiras

JPEG

Na sexta-feira 21 de setembro de 2012 a Embaixada do Brasil na França organiza na Maison do Brasil, na Cité Universitaire Internacional de Paris, uma cerimônia em homenagem aos primeiros 1400 bolsistas a chegarem na França no âmbito do programa Ciência sem Fronteiras da presidente Dilma Rousseff.

Alguns deles serão apresentados por ocasião desta cerimônia que será presidida por sua Excelência Sr. José Mauricio Bustani, Embaixador do Brasil na França, na presença do:

- Sr. Jean-Baptiste Mattei, Diretor Geral da Globalização, du Desenvolvimento e das Parcerias, Ministério das Relações Exteriores,

- Sr. Antoine Grassin, Diretor Geral do Campus France, Agência francesa para a promoção do Ensino Superior, a acolhida e a mobilidade internacional,

- o representante do Ministério da Educação,

- O presidente do comitê francês de Avaliação da Cooperação Universitária e Científica com o Brasil,

- O coordenador do programa de formação dos alunos engenheiros Brafitec,

- O coordenador do programa de formação dos alunos engenheiros agrônomos Brafagri.

A cooperação universitária entre a França e o Brasil é antiga, densa e ativa. A França é desde 2009 o primeiro país de acolhida dos estudantes bolsistas brasileiros. Mais de 700 acordos entre estabelecimentos de ensino superior franceses e brasileiros estão atualmente em vigor.
Assim sendo a França naturalmente respondeu com entusiasmo ao programa “Ciências sem Fronteira” lançado pelo governo brasileiro. Esta iniciativa marca um novo impulso nos intercâmbios universitários e científicos entre os dois países, fundamentando-se numa cooperação antiga e fortemente estruturada, já amplamente implementada com os grandes parceiros brasileiros; a CAPES e o Cnpq.

A partir de 2012, a França almeja acolher na França 10 000 estudantes brasileiros suplementares em 4 anos.

Dois programas emblemáticos contribuem para a criação de parcerias e para o desenvolvimento da mobilidade estudante :

O programa «BRAFITEC», lançado em 2002, por meio de um acordo entre a Conferência das escolas de formação de engenheiros (CDEFI) e as universidades brasileiras representadas pela estrutura de coordenação de cooperação universitária brasileira (CAPES).

O programa «BRAFAGRI», criado em 2005 entre as escolas de agronomia sob a tutela do Ministério da Agricultura Francês e as universidades brasilerias representadas pela CAPES para a formação em ciências agronômicas, agro-alimentares e veterinárias.

A França é igualmente o primeiro parceiro científico do Brasil. Esta cooperação científica construiu-se particularmente graças ao programa COFECUB, criado há mais de 30 anos, permitindo às comunidades científicas dos dois países trabalharem juntas sobre os grandes desafios científicos. Ele permitiu a formação conjunta de cerca de 2000 doutores, em todas as áreas da pesquisa.

Desde o lançamento do Ciência sem Fronteiras em 13 de dezembro de 2011, 139 protocolos de acordo foram assinados, em níveis de graduação e mestrado, pelos estabelecimentos de ensino superior franceses, engloblando 60 cidades e 20 regiões.

Isto permite contar neste primeiro ano de lançamento do programa com 1400 novos bolsistas brasileiros na França.

A França projeta acolher no total 3700 estudantes na França daqui até o final de 2012. Isto significa um aumento da mobilidade estudante individual ou financiada para a França de pelo menos 23% em 2012.

Para o sucesso desta trajetória de estudos e de vida na França, um ponto é primordial: o aperfeiçoamento linguístico dos bolsistas brasileiros. A rede das Alianças Francesas e a rede cultural francesa no Brasil, com os parceiros brasileiros, mobilizaram-se para fazer uma oferta completa de avaliação e de formação linguística para cada estudante brasileiro candidato. Em seguida os estabelecimentos especializados em FLE na França acolheram estes estudantes nos cursos linguísticos adaptados aos seus níveis de língua. O feedback dos estudantes e dos seus professores testemunha a satisfação geral sobre a imersão linguística e cultural na França em julho e agosto.

Além de seu efeito de treinamento sobre a mobilidade individual dos estudantes, este programa contribuirá para a dinâmica das relações científicas e universitárias entre a França e o Brasil e permitirá no final a implantação de programas regionais e a criação de equipes de pesquisa nas disciplinas estratégicas para os dois países.

publié le 20/09/2012

haut de la page