Alain Michard

JPEG - 232.3 KB
Alain Michard, Promenades Blanches@KoenCobbaert

APRESENTAÇÃO DO ESPETACULO « PROMENADES BLANCHES » (2006-....)

Criação in situ em São Paulo

Promenades Blanches é um espetáculo in situ, composto a partir da própria matéria da cidade. É um passeio sensível que mostra a cidade em seu espetáculo cotidiano. Pela graça do andamento e a força de um dispositivo muito simples, essa proposta faz de cada objeto, de cada forma, de cada cor e de cada som uma emoção estética. Os Passeios Brancos abrem um imaginário poderoso, multiplicando as percepções sensoriais. É uma experiência íntima, que se insere na relação do guia e do guiado e num movimento coletivo. Situados no coração do passeio, o público de Promenades Blanches é o ator representando, enquanto a cidade se faz obra.

A criação de Promenades Blanches no Brasil acontecerá em março de 2017, com Alain Michard, a artista brasileira Elisabete Finger e a colaboração de alunos da PUC-São Paulo.
Em novembro de 2016, uma residência de criação acontecerá em São Paulo, em parceria com Pontifícia Universidade Católica. Nessa ocasião haverá também uma conferência interativa na PUC: "Corps sensible, représentation et imaginaire dans l’architecture" [Corpo Sensível, Representação e Imaginário na Arquitetura].

FICHA TECNICA

Peça in situ para 25 espectadores-participantes.
Uma colaboração de Alain Michard e Mathias Poisson; desde 2006

Concepção e interpretação: Alain Michard e Mathias Poisson + coreógrafo convidado
Peça criada pela primeira vez em Bordeaux, em 2006.
Uma coprodução LOUMA / TNT Bordeaux
Parceiros: LOUMA, SESC, PUC, Núcleo Corpo Rastreado,
Com o apoio do Institut Français e da Région Bretagne (acordo a ser confirmado).
LOUMA recebe subsídios do Ministère de la Culture et de la Communication/DRAC Bretagne, Région Bretagne e da Cidade de Rennes.

JPEG

JPEG - 74.7 KB
Alain Michard, Promenades Blanches@Junya Suzuki

BIOGRAFIA DE ALAIN MICHARD  

Coreógrafo e artista plástico, Alain Michard nasceu em 1963 e vive em Rennes, França. A partir da dança, sua «base histórica», conduz paralelamente vários projetos artísticos, empregando diferentes meios (música, filme, fotografia, texto).
Alain associa-se a outros artistas em colaborações. Propõe para suas criações a participação de amadores e da população em geral.
Suas peças e realizações são atravessadas pela temática da viagem e da errância, da pesquisa de uma comunidade, como BING d’après Beckett, Parkinson (2007-2013). Algumas são concebidas para o espaço público, trabalhando a percepção, o imaginário das cidades e das paisagens: Promenades Blanches (2006-2016), Se fondre (2012), Caravane ...
Outro eixo importante de seu trabalho gira em torno de ideias relativas à história coletiva da arte, memória viva e documental: École ouverte, J’ai tout donné, Mon Histoire avec la danse, La carpe et le lapin ...

Seus filmes vão do documentário à ficção, alguns dos quais baseados na sua relação com a dança (Ascension, Carton, Encore chaud, Journal d’En danseuse, ...). Recentemente, realizou duas ficções: ON AIR, em 2010, e Clandestine (longa-metragem), em 2014.
Alain Michard acompanha e produz outros artistas (Theo Kooijman, Laurent Pichaud, Mickaël Phelippeau, Alice Gautier ...), no tocante a direção artística de festivais, de residências e eventos pontuais, como À domicile à Guissény (2007-2009).
A atividade de produtor o leva a acompanhar o percurso de jovens artistas. Alain dá grande ênfase à transmissão de saberes, dentro de uma concepção integrada e articulada com o projeto artístico, aberta a artistas, estudantes e não profissionais.

+ INFOS :

- www.alainmichard.org

- www.human-playground.com

- www.dare-dare.org

- www.lesateliersjeanbrillant.com

publié le 22/09/2016

haut de la page