A Embaixada da França muda suas cores

GIF - 33.2 KB
Vista área da Embaixada da França com seu teto verde (Google Maps)

Um visitante habitual talvez não perceba a olho nu, mas uma transformação silenciosa está em curso na Embaixada da França em Brasília. Além de azul, branca e vermelha, ela está se tornando verde...

A fim de converter em ações práticas os compromissos da França com o desenvolvimento sustentável e a preservação do planeta, em mais uma etapa de sua metamorfose, a embaixada acaba de concluir a instalação do sistema de rega automática dos jardins, principal obra do seu projeto Embaixada Verde.

O projeto Embaixada Verde fortalece a política do Ministério francês das Relações Exteriores e do Desenvolvimento Internacional (ao qual está subordinada) de tornar-se neutro em emissões de carbono até 2020, no âmbito da luta contra o aquecimento global, prioridade da França, anfitriã da COP-21, a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas realizada em dezembro de 2015 em Paris.

Desde o final de janeiro, a rega dos 4 hectares deixou de ser feita manualmente, passando ao sistema de aspersão, que pulveriza a água sobre as plantas e permite uma rega uniforme e regular. Para a sua instalação, que durou 3 meses, um reservatório de 2 mil litros de água foi enterrado na antiga quadra de tênis para alimentar, por meio de bombas d’água, a tubulação enterrada. A rega começa às 22h e funciona durante 2 minutos por setor, duas vezes por semana, nos períodos de chuva, e 10 minutos, todas as noites, durante o período de seca.

Em pouco tempo, a medida já produziu uma economia global de 2/3 do consumo de água da embaixada. “Regar as plantas à noite evita uma evaporação muito rápida provocada pelo calor do dia, o que acontecia antes. Era preciso mudar e, no contexto atual, nada é tão caro quando se trata de preservar o planeta ”, explica Stéphane Tremolani, administrador da embaixada. Ele lembra ainda que, o uso do sal de aluminium, no tratamento da água, foi substituido por um filtro de carbono e outros componentes naturais com regulador de PH.

Carro-chefe

À frente da implementação do projeto Embaixada Verde, Marie Rossignol, estima que, dentre todas as iniciativas em curso, “não há dúvida de que a rega automática é a que tem o maior impacto em termos de preservação do meio ambiente, mesmo que não seja tão visível”.

Para o motorista Ronaldo Magalhães, porém, a mudança é nítida. “Eu sempre observava a quantidade de água usada antes pelos os jardineiros para regar esses jardins tão grandes. Adotar um sistema automático, com a rega à noite é espetacular na diminuição do desperdício!”, avalia.

Yannick Samson, conselheiro para Assuntos Globais, que incluem, entre outros temas, o meio ambiente, ressalta que a iniciativa coincide com o momento em que o Distrito Federal vive uma crise hídrica sem precedentes, levando o governo local a adotar, desde janeiro, o racionamento de água para a população. “É uma resposta séria em termos de gestão eficiente desse recurso”.

LED

O segundo grande projeto verde da Embaixada foi concluído no final de 2016 com a substituição de 750 lâmpadas fluorescentes pelas de LED e a instalação de 50 sensores de presença. O resultado foi uma redução de 26,48% do consumo de energia elétrica.

No processo de se esverdear, a embaixada criou também um refeitório, o que diminuiu a necessidade dos funcionários de pegarem o carro para almoçar fora.

A próxima iniciativa será a entrega da horta, que está sendo construída na área da antiga quadra de tênis e contará, inclusive, com plantas alimentícias não convencionais, as chamadas PANC.

publié le 06/03/2017

haut de la page