Os prédios da Embaixada e da Residência Oficial.

JPEGOriginalmente, o projeto da Embaixada da França em Brasília foi confiado a Le Corbusier, levando-se em conta as estreitas relações que ele mantinha com os dois criadores de Brasília: o urbanista Lúcio Costa e o arquiteto Oscar Niemeyer. Entretanto, a morte de Le Corbusier em 1965 e o longo período entre o desenvolvimento do projeto e a decisão efetiva de se construir a Embaixada (1970), além do surgimento de necessidades suplementares em matéria de área construída, tornaram necessária uma reavaliação de conjunto.

Um novo projeto foi então elaborado. O de Le Corbusier previa uma área construída de 5.000 m2, enquanto que o novo projeto cobria o dobro dessa superfície.

O projeto e a construção

A Embaixada permaneceu instalada no Rio de Janeiro até 1976. O acompanhamento da transferência das Embaixadas do Rio para Brasília foi confiado ao então Conselheiro (do Itamaraty) Wladimir Murtinho, a quem se deve a distribuição dos terrenos, com isenção de impostos sobre todo o material de construção.

JPEG

Os esboços preliminares e o anteprojeto são obra de Guillermo Jullian de la Fuente, arquiteto de origem chilena, ex-colaborador do ateliê de Le Corbusier. A chancelaria apresenta um desenho em forma de cruz. A Embaixada e a Residência foram construídas entre janeiro de 1972 e dezembro de 1974.

JPEG

Um ano após o início das obras, decidiu-se fazer uma ampliação que corresponde hoje às instalações do Serviço de Imprensa, do Serviço de Cooperação e Ação Cultural, do Espaço Le Corbusier e dos alojamentos funcionais. As obras foram acompanhadas pelo arquiteto francês Louis Bach. A construção foi realizada pela construtora Dumez Brésil.

JPEG

As instalações foram inauguradas em 29 de janeiro de 1976 por Jean Sauvagnargues, Ministro francês das Relações Exteriores.

O código de construção da cidade exigia que os edifícios desse setor fossem construídos em no máximo dois níveis, mantendo livre a vista para o lago.

A concepção geral do complexo diplomático foi baseada tanto na proximidade quanto na separação de três grupos de construção:

  • A Residência do Embaixador: 1.500 m2
  • Os escritórios: 7.500 m2
  • Os alojamentos funcionais para uma parte do pessoal: 1.000 m2

JPEG

Os edifícios distribuem-se por um espaço verde comum coberto por um gramado, árvores e plantas decorativas. Eles contêm apenas um piso térreo e um andar superior evitando-se assim a "monumentalidade" e dando à arquitetura um caráter aberto, convivial e harmonioso.

JPEG

Princípios de composição

O princípio básico do projeto consiste na organização de edifícios de trabalho em torno de pátios. Assim, cada escritório possui aberturas para duas fachadas: um corredor externo e um corredor interno. Esse tipo de arquitetura permite uma excelente condição de iluminação e uma ventilação natural que torna desnecessária a instalação de sistemas de ar condicionado.

Ao contrário da maioria dos edifícios da cidade, concebidos como gaiolas de vidro isoladas do exterior, a proposta para essa Embaixada era permitir boas condições de vida e de trabalho integrando a construção à vegetação e ao clima de Brasília (sol ou chuva).

Duas piscinas, uma para a Residência, outra para os escritórios e os alojamentos, também fazem parte da composição geral da construção.

O material empregado é de origem local: madeira, concreto armado e cascalho, permitindo a obtenção de um preço médio bastante razoável para o conjunto da obra. De fato, o preço médio por metro quadrado construído ficou 50% abaixo do custo médio de construção das outras Embaixadas.

O Espaço Cultural Le Corbusier

Photo: Ch. Cabane - JPEG

Uma sala de cinema e vídeo (120 lugares), que também pode acolher uma apresentação teatral de pequeno porte ou um recital (piano).
Uma sala de exposições.

A Residência do Embaixador da França no Brasil - Brasília

JPEG - 24.8 KB
"La France", obra de Antoine Bourdelle (1861-1929)"

Como os outros edifícios da Embaixada, os esboços preliminares e o anteprojeto da Residência são obra de Guillermo Jullian de la Fuente, discípulo de Le Corbusier, e apresenta o desenho de uma cruz. A Residência foi construída entre janeiro de 1972 e dezembro de 1974 e inaugurada em 1976, pelo Ministro francês das Relações Exteriores.

Cercada de imensos espaços verdes cobertos de palmeiras e uma grande variedade de árvores, a Residência da França possui apenas um andar. O prédio de amplas vidraças permite uma excelente abertura para o exterior e os jardins.

A impressão de força causada pela utilização maciça e sistemática do concreto bruto é temperada pelas amplas áreas envidraçadas, a suavidade das esquadrias em madeira tropical e pelos revestimentos em mármore das salas de recepção.

A intenção de evitar o fechamento para o exterior, aliado a um jogo de portas corrediças permite a modulação das áreas da Residência de acordo com as necessidades.

JPEG

O piso térreo é aberto para as diferentes áreas de recepção e compreende principalmente uma imensa sala de jantar e um grande salão, enquanto que o primeiro andar é reservado aos apartamentos privados e à biblioteca.

Os tetos-terraços são cobertos por um jardim a fim de se obter, através de uma camada de terra, um isolamento térmico satisfatório.

Recepção
Recepção - JPEG

Perspectiva da sala de estar
Perspectiva da sala de estar - JPEG

Vista da piscina
Vista da piscina - JPEG

Sala de jantar com tapeçaria de Agam
Sala de jantar com tapeçaria de Agam - JPEG

Fachada do jardim
Fachada do jardim - JPEG

Espaço de circulação interna
Espaço de circulação interna - JPEG

- Mais fotos da Residência do Embaixador no Flickr: https://www.flickr.com/photos/128482029@N03/albums/72157661897431070

publié le 06/01/2017

haut de la page